Depois da pandemia, como ficarão as condições de trabalho?

A pandemia foi responsável por uma brusca alteração do cotidiano. Muitas empresas passaram a aderir ao home office, em prol da segurança dos funcionários, e mesmo as que se mantiveram com trabalho presencial acabaram se deparando com diversas mudanças. Mas qual a projeção dos especialistas para o futuro das condições de trabalho no Brasil, num contexto em que a pandemia já não for mais uma preocupação?

Antes de entender o que pode ser no futuro, é preciso observar o presente. Por isso, o diretor executivo de Recursos Humanos do Grupo Carvalho Operações, Tálisson Carvalho, explica ao Canaltech de que maneira a COVID-19 impactou as condições de trabalho.

“O ‘novo normal’ trouxe inúmeras mudanças para a área de gestão de pessoas nas organizações. Os impactos do coronavírus foram gigantescos na área de RH, já que todo o setor foi obrigado a desenvolver e aplicar novas tecnologias e formatos de trabalho. Afinal, o setor é o principal responsável por conduzir as decisões e mudanças junto com os líderes das organizações”, afirma o diretor.

Como principais desafios de gestão de pessoas nesse momento complexo, Tálisson menciona a adaptação ao trabalho remoto, novos usos da tecnologia, mudanças no recrutamento e seleção, necessidade de treinamentos a distância, crescimento da importância dos feedbacks e demissões em grande escala.

Condições de trabalho atuais

Enquanto isso, Ana Elisa Almeida, médica e professora de infectologia do Jaleko (plataforma de streaming com conteúdos voltados aos estudantes de medicina), explica quais são as recomendações para se proteger da COVID-19 no trabalho, que quem está exercendo sua profissão presencialmente nesse momento deve seguir: usar máscara que se ajuste bem ao rosto, cobrindo nariz e boca, é a principal.

“Evitar máscaras com válvulas ou aberturas para não ocorrer escape de partículas virais. Se a máscara for de tecido, importante que tenha duas camadas ou mais e que seja um material lavável. Para funcionários que trabalham com alto risco de contaminação e/ou idosos e/ou com comorbidades, a OMS recomenda o uso de máscaras de uso médico (máscara cirúrgica ou N95/PPF2)”, aponta a especialista.

Praticar o distanciamento social, garantir que no local de trabalho se mantenha um distanciamento mínimo de 2 metros entre as pessoas, evitando aglomerações ou hiper lotação e higienizar as mãos com álcool a 70% ou com água e sabão com frequência também são medidas que os trabalhadores devem seguir no cotidiano. “Isso é especialmente importante depois de ter estado em locais públicos ou tocar em superfícies que muitas outras pessoas também tocam, como maçanetas ou corrimãos”, observa.

Nos refeitórios, a médica recomenda além de distanciar as mesas, colocar barreiras físicas, caso a mesa seja compartilhada, e diminuir a capacidade de lotação do refeitório. “Antes, durante ou após o período de funcionamento, reforçar a limpeza do ambiente com álcool a 70% e/ou preparações antissépticas ou sanitizantes de efeito similar. As superfícies de toque devem ser higienizadas, no mínimo, a cada 2 horas”, orienta.

A infectologista também recomenda ambientes com boa ventilação e capacitações frequentes dos funcionários para conscientização sobre a COVID-19. “Colaboradores com sinais e sintomas suspeitos de COVID-19 devem ser avaliados e isolados, se tiverem diagnóstico positivo”, determina a médica.

Sob o ponto de vista da psicóloga Alessandra Augusto, pós-graduada em terapia sistêmica, tem acontecido um impacto na saúde mental de todos os trabalhadores. A especialista destaca principalmente a ansiedade, um dos fatores que tem crescido muito. “Nós que estamos passando por essa pandemia, estamos sofrendo com esse transtorno por conta das incertezas: o que vai acontecer, as formas de contaminação, quais são os avanços em relação à doença. Nós temos a sensação de muitas incertezas, pouco conhecimento. Isso colabora com a ansiedade”, observa.

A psicóloga destaca também o medo de contaminação e o medo de precisar ser hospitalizado. “Os grandes transtornos de fobia também têm aumentado. Juntamente com isso, a tristeza. A tristeza de perder seus entes queridos, trabalhos, desencadeando assim a depressão”, analisa.

No entanto, de acordo com a psicóloga, hoje em dia a saúde do trabalhador é vista com muito cuidado. “Agora entendemos esse colaborador não somente como um funcionário. É um indivíduo social. Então se a casa não está bem, se o transporte demanda muito sacrifício, isso afeta na produtividade. Hoje o olhar para a saúde do trabalhador é com muito cuidado, levando em consideração todos os fatores socioeconômicos”, reflete a especialista.

Após a pandemia

Ainda não sabemos quando essa situação vai passar. Mas quando passar, ainda precisaremos seguir essas medidas no trabalho por um tempo? Como vai ser? Os especialistas trazem à tona seus pontos de vista. A infectologista Ana Elisa ressalta que em relação ao futuro, ainda há muitas incertezas.

“Precisamos de mais estudos científicos, com o tempo, para sabermos por quanto tempo será a duração da resposta protetora da vacina, se a vacinação irá propiciar “imunidade de rebanho” e tantas outras ponderações. São respostas necessárias para podermos orientar em como será as medidas sanitárias no futuro”, observa a médica.

No entanto, a professora de infectologia acredita que a pandemia tenha mudado definitivamente a percepção das pessoas sobre as doenças e sobre tomar certos cuidados. “A pandemia evidenciou o mundo microscópico, mostrando, inclusive, o seu impacto patogênico. Passamos a atentar para atos simples, como a higiene das mãos, que são extremamente efetivos na eliminação de germes há anos e que, antes da pandemia, eram banalizados em algumas circunstâncias”, disserta. Para a médica, a tendência é que esses hábitos se mantenham.

Questionado se os especialistas de recursos humanos já têm uma estimativa de como serão as condições de trabalho depois da pandemia, Tálisson afirma: “A conclusão é que a retomada do emprego no país será bastante lenta, principalmente para os serviços não essenciais. Mas, com algumas áreas de atuação, como saúde, recursos humanos, tecnologia e vendas, se destacando positivamente na ponta do processo após a pandemia”.

No que diz respeito à vacina, e se os patrões podem determinar que os funcionários tomem a vacina, quando ela estiver disponível para todos, o diretor executivo relembra que, em dezembro, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que a vacinação contra a Covid-19 é obrigatória e que sanções podem ser estabelecidas contra quem não se imunizar. Na visão de Tálisson, essas medidas devem ser implementadas pela União, estados e municípios.

“É importante ratificar que do ponto de vista organizacional, o risco ainda é muito alto. A tendência é orientar todos os colaboradores, através de campanhas internas, comunicados, interações, entre outros. Se a empresa aplicou um regulamento interno de regras e condutas sobre à campanha de vacinação da COVID-19, cabe aos empregados observarem as normas de segurança e aplicar programas de conscientização, juntamente com a equipe de técnico e medicina do trabalho”, aponta o especialista.

A infectologista observa que o indivíduo é considerado imunizado duas semanas após a série completa da vacinação. Porém, mesmo com a imunização, as medidas de precaução, como o uso da máscara, deverão ser mantidas. “Isso porque nenhuma vacina é 100% eficaz e apesar de algumas evidências sugerirem que pessoas vacinadas têm menor probabilidade de ter infecção assintomática e potencialmente menos probabilidade de transmitir SARS-CoV-2 a outras pessoas”, explica.

A médica ainda afirma que uma investigação mais aprofundada precisa ser realizada para melhores definições clínicas. “Então até termos mais estudos sobre o tema e os brasileiros continuarem vulneráveis a quadros graves por conta de doses insuficientes para vacinação da grande parte da população, as medidas básicas de prevenção devem ser mantidas”, ressalta.

Seguindo sua estimativa, o diretor executivo aponta que o home office deve continuar uma tendência mesmo após a pandemia, “principalmente pela evolução da tecnologia e adaptação do novo normal”, e acredita que as medidas restritivas que hoje em dia se estabelecem nas empresas ainda deve continuar mesmo por um tempo depois da pandemia, “principalmente pelas novas práticas de cuidados e melhorias de segurança organizacional”.

Impactos a longo prazo

Para Tálisson, o principal impacto a longo prazo que a COVID-19 deve trazer para os trabalhos dos brasileiros é a diminuição da renda das empresas e o baixo potencial para manter remunerações elevadas.

Já para Ana Elisa, deve-se esperar mudanças nas relações de trabalho, com maior entrega no digital e nos serviços de delivery, além de flexibilização de horários, com possibilidade de turnos em home office e relações mais humanizadas. “Mudanças econômicas, com atual desorganização econômica e posterior reascensão, mudanças nos contextos de saúde com maior valorização das práticas preventivas e estruturação da telemedicina”, estima a infectologista.

Questionada se os especialistas já têm uma previsão de quando a situação voltará a ser como antes, a médica é categórica: “A resposta para essa pergunta é anseiada por muitos. Existem algumas previsões, porém nada substancial, uma vez que o fim da pandemia depende de muitas questões de saúde pública, políticas e sociais. A certeza que temos é: para chegarmos ao fim dessa situação, precisamos da contribuição de cada um no combate à propagação do vírus”.

Já a psicóloga Alessandra Augusto prevê um esgotamento em longo prazo. “Nós já vimos muito sobre a síndrome de burnout, que afeta os trabalhadores esgotados. A gente fala do esgotamento profissional e mental. Já havia alguns indivíduos que tinham excessos e sofriam por conta disso. Com a pandemia, juntamente com algumas dificuldades financeiras, não só aumentou a dificuldade para trabalhar, como também quem está trabalhando aumentou a sua demanda no trabalho. Então haverá esse esgotamento pós pandemia, infelizmente”, diz.

Segundo a psicóloga, após a pandemia, passaremos por um grande processo de revitalização da nossa economia e recolocação no mercado de trabalho. “Uma vez que passamos por alguns experiências, não voltamos a ser como era antes. Mas precisamos de resiliência. Ressignificar o que aconteceu. Mas retornar a aquela inocência, aquele estado antes da experiência, não tem como”, pontua Alessandra

Para os trabalhadores, a especialista recomenda buscar ajuda psicológica. “E não precisa esperar acabar a pandemia. Muitas plataformas foram criadas com serviços gratuitos. Nossa sensação é que teve uma lacuna de tempo, que 2020 ficou uma lacuna. E muitos estão com dificuldade de encarar 2021 por conta dessa lacuna. A sensação de que 2020 não existiu. Mas existiu, e é muito importante estar com a saúde mental em equilíbrio. Sem a saúde mental, fica muito difícil passarmos por esse momento”, conclui.

compartilhe em sua rede social

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram
Share on skype
Skype
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.