Cultura do cancelamento causa danos ao cancelado e ao cancelador, afirmam psicólogas

Com as polêmicas que estão acontecendo com frequência no “BBB 21”, vários integrantes do reality já foram cancelados dentro e fora da casa. O principal alvo é a cantora Karol Conká, que tem arrumado brigas e não vem tratando tão bem os colegas de confinamento. Especialistas afirmam que a cultura do cancelamento gera impactos mentais tanto em quem é cancelado quando no cancelador.

— O cancelamento gera uma sensação de isolamento, e isso impacta a saúde mental. Nós somos seres sociais, não somos feitos para vivermos sozinhos. Nós demandamos muito amor e acolhimento, e perder isso gera um grande desespero — explica Bárbara Carissimi, coordenadora de Psicologia da Universidade Veiga de Almeida (UVA).

A cultura do cancelamento é a prática de deixar de seguir e/ou criticar uma outra pessoa nas redes sociais com a finalidade de puni-la por um erro considerado grave. Normalmente, a pessoa é acusada de praticar racismo, xenofobia, homofobia, preconceitos em relação à classe social, gênero, e outras demonstrações de intolerância às minorias. Quando o cancelamento ocorre com uma pessoa famosa, normalmente espera-se que esta perca contratos ou que seus produtos não sejam mais consumidos pela população em geral.

— Viver em um ambiente em que você pode ser cancelado, em que você tá sempre sendo julgado, é muito difícil, porque andamos como se tivéssemos pisando em ovos, a qualquer momento eu posso desagradar o outro. Então, é o outro que chancela o que eu posso fazer e o que eu não posso fazer — afirma Daniela Generoso, psicóloga clínica pós-graduada em neuropsicologia.

Quanto mais importância a pessoa que é cancelada dá às opiniões dos outros, mais afetada pelo cancelamento ela será. Dependendo do erro que é apontado pelos demais, a pessoa começa a se questionar sobre sua própria personalidade e seu ponto de vista.

As especialistas apontam que é preciso tomar cuidado com a cultura do cancelamento, pois há casos em que o outro é cancelado apenas porque tem um ponto de vista diferente. E o cancelamento pode gerar inúmeros malefícios para alguém que apenas discordou de algo.

Humilhação pode ser tortura psicológica

A convivência conturbada da cantora Karol Conká com o ator Lucas Penteado fez com que os expectadores do programa a acusassem de tortura psicológica. De acordo com a psicóloga Alessandra Augusto, pós-graduada em terapia sistêmica, considera-se tortura psicológica situações que exponham uma pessoa a humilhações, subjugamento, privação de liberdade de fala, desvalorização, além do outro se impor como autoridade perante aquele que está sendo a vítima do abuso.

— Vale lembrar que este tipo de situação não ocorre apenas entre casais, mas também pode ser vista no relacionamento entre pais e filhos, de patrão e funcionário — destaca Alessandra.

Muito espantou o público do “BBB21” o fato de algumas atitudes da cantora na casa não terem incomodado os participantes do reality.

— Essa falta de reação pode ter ocorrido porque as pessoas concordam com o que está acontecendo ou porque ficaram com medo de reagir e irem contra uma pessoa que passa a imagem de liderança — avalia Bárbara.

Para Alessandra, quando uma pessoa comete a tortura psicológica, ela tem consciência de que está ferindo emocionalmente a outra pessoa.

— Ela pode não ter a dimensão dos danos que está causando no outro, mas tem consciência do que está fazendo, tanto que costuma aliviar de vez em quando para não ganhar o rótulo de abusador — explica a psicóloga.

Daniela termina frisando que uma pessoa que é submetida a uma tortura psicológica precisa de ajuda:

— Ela vai necessitar do apoio de amigos e principalmente de ajuda psicológica e psiquiátrica, em alguns casos.



FONTES:

extra.globo.com

compartilhe em sua rede social

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram
Share on skype
Skype
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.