Transtornos mentais na gravidez: Quem está mais propensa a desenvolver?

Uma em cada quatro grávidas pode desenvolver transtorno mental ainda durante a gestação. Saiba como passar pelo momento com mais tranquilidade.

A gestação é, por si só, um período de várias transformações. Todas essas mudanças, biológicas e não biológicas, podem expor a pessoa grávida a uma situação de vulnerabilidade psicológica. Segundo um estudo publicado no “British Journal of Psychiatry”, uma em cada quatro grávidas pode desenvolver transtorno mental ainda durante a gestação. Ansiedade, depressão, distúrbios alimentares e transtorno obsessivo-compulsivo são os quadros mais comuns entre as gestantes. 

Quem já tem um histórico de transtorno mental costuma ser mais propenso a desenvolver um novo quadro durante a gestação. Mulheres com transtorno bipolar, por exemplo, têm 100% mais risco de ter um episódio psicótico. Mas outros fatores, como histórico familiar, suporte social reduzido, gravidez indesejada e conflitos com o parceiro ou a parceira podem ser gatilhos. Além disso, a própria oscilação hormonal durante o período pode desestabilizar a pessoa. 

Para minimizar a probabilidade de um episódio de crise para aquelas que já têm alguma condição mental ou evitar o desenvolvimento de um novo quadro, o acompanhamento especializado é fundamental. É o que explica a psiquiatra dra. Paula Dione:  

“A gestante ou tentante que já se sabe portadora de sofrimento psíquico tem indicação de ser acompanhada por equipe multiprofissional, contando com médico e outros profissionais da obstetrícia, além de médico psiquiatra e psicólogo, proporcionando adequado aconselhamento pré-gestacional, pré-natal e após o parto, lembrando inclusive que a grande incidência de eventos ligados a transtornos psiquiátricos está relacionada ao pós-parto”. 

Uma das grandes questões é o uso de medicação durante a gestação. Quem já faz algum tratamento medicamentoso para transtorno psiquiátrico pode se ver obrigado a suspender temporariamente o uso dos remédios. Nesse cenário, manter um acompanhamento terapêutico é uma das principais recomendações, para conciliar todas as transformações do período. Mas, além disso, hábitos simples como dormir bem e praticar exercícios, por exemplo, já ajudam.

A psicóloga Alessandra Augusto, pós-graduada em terapia sistêmica e pós-graduanda em terapia cognitivo-comportamental e em neuropsicopedagogia, dá mais dicas de como passar por esse momento com mais tranquilidade. 

“Além dos medicamentos, a prática de atividades como caminhada, ioga, e até mesmo o hábito da meditação ajudam a melhorar pontos como a própria frequência cardíaca, a respiração e a oxigenação no cérebro, proporcionando bem-estar”, diz.

Ter uma rede de apoio também faz toda a diferença. “É importante que cônjuges e familiares estejam presentes e ofereçam um ambiente de conforto e segurança”, destaca Alessandra.

A dra. Paula concorda, e sinaliza como esse apoio pode ser oferecido. “Oferecer apoio no sentido de oferta de presença e escuta costuma ser o melhor caminho, deixando a pessoa livre para solicitar (sabendo que pode contar) ou recusar, de acordo com sua necessidade em cada momento”, finaliza.

compartilhe em sua rede social

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram
Share on skype
Skype
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.