Sexo com ex pode ser uma boa? Especialistas listam 8 situações em que sim

Em tempos de pandemia e necessidade de isolamento social, muitos ex-casais estão se reencontrando. Carência afetiva, reflexão sobre antigos relacionamentos, saudade e dificuldade em se envolver emocional e fisicamente com alguém novo por medo da transmissão de Covid-19 são alguns dos fatores por trás do “surto” de flashbacks sentimentais.

Com vírus ou não, antes de partir para o “oi, sumido” a fim de transar é importante levar em conta algumas circunstâncias para evitar o risco de se magoar. Com ajuda de especialistas, listamos situações em que vale a pena apostar no reencontro com o ex.

Um flashback sexual com o ex pode ser bom se:

1. Sua autoestima está em dia. Se você está bem emocionalmente, com os sentimentos organizadinhos e com a saúde mental equilibrada, vá fundo. Em harmonia, você é capaz de encarar a experiência de maneira realista, sem esperanças ou confusão.
 2. Nenhum dos dois alimenta expectativas. Há uma conversa franca e objetiva sobre o fato de que o sexo será puramente casual, reatar não faz parte dos planos de vocês e tampouco existe algum sentimento mal resolvido em jogo. Nesse caso, transar não terá consequências desastrosas e a amizade deve seguir ilesa à experiência.

3. A química sexual sempre foi intensa. Se o sexo sempre foi o ponto alto do relacionamento, provavelmente o desejo vai ressurgir quando se encontrarem, seja o encontro casual ou não. Assim, apostar numa sessão “vale a pena ver de novo” é sinônimo de prazer garantido, desde que, é claro, não guardem algum tipo de mágoa e saibam separar bem as coisas.

4. Os dois estão livres, leve e soltos. Se ambos estão sem parceiros e há tempos não transam com ninguém, não vão machucar ninguém de fora com o flashback.
 5. Ambos priorizam a liberdade. Transar com o ex é bom se os dois não estão a fim de se envolver afetivamente com ninguém e querem curtir algo apenas casual , sem cobranças ou vínculos. Além do prazer, o sexo melhora a autoestima, o sistema imunológico, diminui o estresse e melhora o sono. É uma forma de ter isso tudo sem perder a liberdade de querer estar sozinho.
 6. Há segurança e confiança. Para muita gente, explorar um território desconhecido pode ser assustador. Se expor a um novo parceiro sexual pode envolver uma ansiedade que algumas pessoas, pelo menos em certos momentos, não estão a fim de vivenciar. Por isso, transar com o ex pode ser um alívio: os cheios, os sabores, as preferências e as manias já são conhecidas. Além disso, existe a tranquilidade e a intimidade necessárias para revelar desejos e fantasias . E mais: os dois ainda podem compartilhar novidades ou experiências que vivenciaram durante o período em que estiveram sem se relacionar.
 7. Vocês querem se redescobrir sexualmente. Essa é uma situação mais comum entre casais que ficaram juntos por muito tempo e que tiveram filhos. A rotina típica de um casamento – preocupações com trabalho, dinheiro, crianças e tarefas domésticas – às vezes provoca um apagamento na identidade, concentrando esforços apenas no desempenho de pai/mãe e de administradores de uma casa. Depois de um divórcio, um reencontro sexual pode focar apenas no prazer, fazendo aflorar algo que o tempo sufocou.
 8. A chama reacendeu. Se as questões que levaram ao rompimento foram resolvidas ou já não fazem o menor sentido no momento presente, por que não permitir que o desejo sexual renasça?

FONTE:

uol.com.br /

compartilhe em sua rede social

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram
Share on skype
Skype
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.