Pais e alunos precisam contribuir para a saúde mental dos professores na pandemia, aponta pesquisa

As mudanças provocadas pela pandemia atingiram em cheio a saúde mental dos professores, que passaram a ficar bem mais ansiosos diante da nova realidade. Muitos deles estão ainda mais preocupados com o retorno presencial das escolas, autorizado pela Justiça do Rio. Os profissionais estão sobrecarregados, tentando dar conta de tudo. E durante este tempo, quem cuida deles?

Para Carla Jarlicht, psicóloga e consultora educacional, a transformação da rotina presencial para a online e a expectativa (e preocupações) com o retorno das aulas em sala gerou um impacto negativo na saúde mental dos professores.

— Os professores viveram uma mudança drástica na forma de trabalho. A maioria das pessoas que puderam trabalhar de casa, continuaram a fazer o mesmo trabalho. Mas o professor, cuja atuação é essencialmente presencial e envolve muito os vínculos afetivos, precisou aprender formas diferentes de ensinar. Toda mudança gera ansiedade e angustia, e a maioria deles não contou com uma estrutura para mudar drasticamente — diz Carla Jarlicht, psicóloga e consultora educacional.

Desde que as aulas passaram a ser virtuais, os professores são cobrados de todos os lados. A escola exige um ensino dinâmico, interessante, que prenda a atenção do aluno. Já os pais, desacostumados a permanecerem tanto tempo com seus filhos dentro de casa, bombardeiam os celulares dos mestres com mensagens — às vezes até desaforadas — solicitando ajuda. Os alunos, por sua vez, aprendem menos do que poderiam, por falta de dedicação ou dificuldade de adaptação à nova realidade. Para os professores, sobra trabalho e frustração.

— É preciso que haja um alinhamento de expectativas. Deve-se traçar com os coordenadores pedagógicos caminhos possíveis e realistas de como passar o conteúdo através das ferramentas disponíveis. Com os pais, é preciso explicar como vai funcionar as aulas naquele mês e como eles poderão contribuir para que o aprendizado ocorra da melhor maneira possível — orienta Luciana Brites, psicopedagoga e CEO do Instituto NeuroSaber.

Cada um deve assumir a sua obrigação

A sobrecarga dos professores pode diminuir muito, segundo especialistas, se a escola assumir sua responsabilidade na organização do trabalho, os responsáveis tomarem para si a missão de acompanhar as crianças nos estudos e os alunos se empenharem em acompanhar o conteúdo.

— Neste período de pandemia, o professor acabou ficando com a missão de regular todas estas situações, sentindo-se, assim, sobrecarregado — comenta a psicóloga Alessandra Augusto.

Ao observar o sofrimento demonstrado pelos professores na pandemia, o Sindicato dos Professores do município do Rio de Janeiro (Sinpro-Rio) criou o programa Reame, uma rede virtual de apoio para a saúde mental e física dos profissionais. Ele conta com psicólogos voluntários e profissionais de diversas áreas, que atuam na promoção do cuidado multidisciplinar e atendem, gratuitamente, grupos de professores que estejam precisando de amparo. São oferecidos atendimento psicoterápico, ioga e automassagem, entre outros.

Depoimento:

‘Surgiu o desafio da educação a distância’, diz Katrin Corrêa, 23 anos, professora de educação infantil

“Durante a pandemia, minha rotina de trabalho mudou bastante. Surgiu o desafio da educação a distância, aulas e vídeos semanais. O grande desafio foi ter que aprender a editar vídeos, ter o retorno dos pais e ao mesmo tempo cuidar da casa, que não é uma tarefa fácil. Essa nova rotina acabou me deixando bastante tensa e ansiosa sem saber o que iria acontecer. Vieram as preocupações, o medo de ficar desempregada, de perder alguém próximo e de voltar a dar aula presencialmente sem uma vacina, botando as vidas de pessoas do meu convívio diário em risco.

Pais e alunos devem manter uma relação de companheirismo com os professores. O diálogo e a sinceridade são fundamentais nessa nova etapa. Os pais devem ter consciência que a escola não é um depósito. Todos nós estamos cansados da quarentena, porém ela é fundamental nesse momento.”

compartilhe em sua rede social

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram
Share on skype
Skype
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.