Outubro Rosa: Psicóloga explica a importância de personalidades positivas no tratamento contra o câncer de mama

Alessandra Augusto falou sobre a importância de referências de sucesso durante a batalha contra a doença.

O mês da conscientização do câncer de mama começou. O Outubro Rosa é marcado por uma forte influência de famosas que já enfrentaram essa situação e demonstram apoio e solidariedade às mulheres que estão passando por esse momento.

Ana Furtado chamou a atenção de seus fãs pela forma como lidou com a doença. A apresentadora fala abertamente sobre o assunto e sempre se mostrou positiva e otimista em suas redes sociais.

A MÁXIMA DIGITAL conversou com a psicóloga Alessandra Augusto sobre a importância de personalidades positivas e casos de sucesso na hora do tratamento contra a doença.

MÁXIMA DIGITAL: Qual a importância de falar também sobre a saúde mental da mulher que descobre um câncer?

ALESSANDRA AUGUSTO: É importante cuidar da saúde mental ao receber um diagnóstico de câncer, porque muitos pacientes despertam raiva, de inconformidade. Eles passam por etapas de aceitação. A princípio, é difícil aceitar esse diagnóstico, porque ainda tem, culturalmente, esse fantasma da morte, mesmo com todos os avanços da medicina. Então o diagnóstico já é de difícil aceitação e ainda vem com esse caráter da morte, mesmo sabendo que não é verdade, tendo casos de sucesso.

É importante cuidar da saúde mental, porque o paciente passa por várias fases até a aceitação desse diagnóstico e cada um tem sua maneira própria de receber e digerir essa informação nesse momento.

É importante para que o indivíduo entenda suas emoções e sabia trazer equilíbrio para ela, para não descontar nos outros, para não se auto-punir por aquela situação.

MÁXIMA: Famosas que assumem ter a doença sempre se mostram otimistas. O pensamento positivo ajuda na cura da doença?

ALESSANDRA: Sim, manter um pensamento positivo e otimista é importante durante um tratamento oncológico. Isso melhora muito o sistema imune. Quando eu estou aberto ao tratamento, quando eu tenho apoio dos familiares e amigos, eu sinto confiança no que eu estou fazendo, repercute muito na eficácia desse tratamento.

MÁXIMA: A autoestima da mulher fica abalada?

ALESSANDRA: Juntamente com a resposta do pensamento positivo, vem a autoestima. Sim, a autoestima fica muito abalada. Como eu disse, as pacientes passam por algumas fases desde o diagnóstico: a aceitação, a raiva, a autopunição. Cada indivíduo vai reagir de uma forma.

Com relação à autoestima, dependendo do tratamento, fazem mudanças no corpo. As mulheres podem ficar inchadas, ter queda de cabelo, então mexe com a autoestima sim. Eu preciso que quem esteja em volta dessa rede de apoio venha reforçar essa autoestima, esse amor-próprio que o indivíduo precisa ter em meio à todas essas mudanças.

 MÁXIMA: Quais doenças mentais podem surgir após o diagnóstico?

ALESSANDRA: Sim, as doenças mentais mais comuns que vem com esse diagnóstico são: depressão, transtorno do pânico, medo de vir a não sobreviver, ansiedade.

MÁXIMA: Qual a importância do apoio da família a essa mulher?

ALESSANDRA: O familiar entra como co-terapeuta. Eu preciso que esse familiar entenda esse comportamento de co-terapia. Por isso que hoje temos equipes especializadas na área de oncologia para estar dando amparo ao paciente e aos familiares. Esses tratamentos se estenderam aos familiares, porque eles precisam entender a co-terapia. Ela vem como rede de apoio para esse paciente, que vem, por vezes, achanado que é um peso para a família, achando que está sobrecarregando com trabalho, no tratamento. Então eu preciso que esse familiar esteja com esse pensamento de co-terapia junto com a equipe médica levando conforto, apoio a esse paciente. Esse tratamento tem como intuito dar apoio e acolhimento ao paciente.

MÁXIMA: E em que momento é necessário o apoio de um profissional de saúde? Como deve ser o tratamento psicológico de mulheres com câncer?

ALESSANDRA: O apoio psicológico deve vir junto com o diagnóstico. Nós temos o indivíduo que está investigando, pesquisando e teve esse diagnóstico de câncer, já foi passado para ele todo o protocolo de como será o tratamento. Junto com ele, o profissional da área da saúde mental deve estar acompanhando o paciente e o familiar, porque ele também sofre com isso. Logo após o diagnóstico, é preciso que essas pessoas recebam esse tipo de acompanhamento.

compartilhe em sua rede social

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram
Share on skype
Skype
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.